Ternura e encanto

Dias atrás, a natureza nos ofereceu espetáculos incríveis. Em alguns municípios, aqui da Serra Gaúcha, a neve descortinou uma apresentação inédita. O cenário que era frio, foi transformado por flocos esbranquiçados que caíram mansamente. Nas janelas, via-se o rosto de pessoas curiosas, turistas e admiradores de todas as idades. A noite já ia adiantada e até o sono fora esquecido. Câmaras disparavam para todos os lados incontáveis flashes, aparelhos de telefones não paravam de tocar e fazer ligações: era urgente avisar os amigos e familiares para que a cena não fosse perdida. A emoção tomara conta de todos. Até bonecos de gelo foram feitos com ternura, encanto e criatividade.
A neve consegui surpreender e, por uns instantes, as pessoas vibraram com o acontecido. As imagens serão arquivadas na bagagem das belas recordações. Outros invernos virão. Talvez a neve, um dia, se apresente novamente. O que permanece é a sonora constatação: se a natureza é capaz de provocar transformações, por que o humano não se deixa surpreender com o sol que brilha, com a chuva que cai, com o sorriso de uma criança, com a suavidade da brisa, com a flor que desabrocha, com a chegada da primavera...?

A dureza decorrente das excessivas preocupações com o material tem isentado as pessoas de expressar ternura e encanto. Em nome do materialismo, nações rompem tratados, infringem regras de soberania, espionam e se preciso for, partem para o conflito. Os dias são agitados, rostos enrugados já não sabem como sorrir. Por todos os lados há cobranças e insensibilidade. Do mais profundo do ser uma insistente melancolia parece sugerir mudança de vida. Seguidamente o coração sente saudade de algo indefinido, um misto de lamentação  pela ausência de serenidade e de paz.
O inverno passou. E se a neve demorar a cair novamente?
A nossa vida é capaz de se surpreender com os pequenos detalhes do cotidiano. Para isso, é necessário abrandar esse ritmo que tem roubado a saúde das pessoas. Sentir profundamente o pulsar da vida: tarefa um pouco exigente, mas possível. Quero lembrar que isso depende unicamente de cada um. O outros até poderão ajudar, mas o cuidado e o ordenamento da interioridade é uma decisão pessoal. Sempre é tempo de surpreender-se com os espetáculos que a natureza e o amor estão, a todo instante, proporcionando aos corações dotados de sensibilidade e fé.

Abraço.

12 comentários:

  1. Lindo texto e faz ver que temos que nos dar presentes assim, ver o que a natureza leva e traz. Lindo! abração,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi chica,

      A natureza e a vida nos dá preciosos presentes, todos os dias. A correria, um tanto desenfreada nos torna cegos à essa realidade.

      Abraço.

      Excluir
  2. Primeiro que privilegio ter visto tudo isso eu espero um dia poder ver tbm rs.
    Qto ao texto maravilhoso hoje em dia estão esquecendo das coisas simples e que realmente importam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Patricia,

      Não sou muito adepto do frio, porém reverencio a natureza e suas façanhas.
      É de coisas simples que se aprendem lições para uma vida toda.

      Abraço.

      Excluir

  3. Olá Nestor,

    Deve ter sido um espetáculo único e deslumbrante.
    Infelizmente, a correria, as preocupações e os conflitos distraem o ser humano de sua essência e das belezas que o cercam. Passos apressados impedem a contemplação do belo e adormecem a sensibilidade.

    Lindo texto.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Oi Vera,

    Foi um espetáculo que se eternizará na lembrança de muita gente. Porém, se observarmos, a natureza nos oferece belos espetáculos todos os dias. É preciso reacordar a sensibilidade.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Nestor. Penso que a própria dureza que arde pedindo serenidade e paz é a responsável por essa cegueira. As pessoas tem medo, Nestor. Medo de se encantar e se decepcionar. Mas o próprio medo, cega.
    Contraditório e só resolvível com muita coragem e força de vontade, diariamente.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bia,

      O medo cega, trava, pede cautela. A única forma de evoluir é dosar, equilibrar o nosso medo e usar a nosso favor. Isso requer força de vontade, sim.

      Abraço.

      Excluir
  6. Nestor,

    Ouvi na TV que vai voltar a fazer frio, quem sabe, mais neve!

    Quanto a insensibilidade humana, duas situações me afligem, não suporto isso, a Síria usando armamento quimico, já comprovado, e pessoas matando familia inteira. Hoje mesmo, soube de uma mãe com 4 filhos, todos mortos por envenenamento. Se foi a mãe que fez isso, puxa, que covardia, não deu direito de escolha aos filhos.

    Sobre seu comentario, fui obrigada a aprender a me reinventar! Alias, me reinventei para tantas coisas, não somente ao amor. Sou como a Fenix.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sissym,

      O firo já chegou por aqui de novo. Hoje, mínima de 2°, amanhã, previsão de 1º.

      Quando o encanto, a ternura, a sensibilidade e a virtude são deixados de lado, o ser humano passa a ser rival um do outro. Passa a ser um animal irracional, voltado para seu próprio umbigo, capaz de cometer as mais variadas atrocidades.

      Abraço.

      Excluir
  7. É mesmo um privilégio. Viver é um privilégio, pena que a gente às vezes opte pela indiferença e não perceba as minúcias que fazem tudo valer a pena.

    Lindo texto, moço da neve.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Milene,

      Viver é um privilégio, só que para isso, como diz o poeta: "é preciso saber viver.
      Abraço.

      Excluir

Que legal! Família Alcará agradece ao seu comentário nota 10. Em breve estará disponível à todos.