Pai, papai, paizão...

Olá,
Os tempos são outros, não podemos negar. Na época de meus pais, a idade estava relacionada à cor de seus cabelos. Hoje, nem sempre se sabe quando alguém já está com os cabelos brancos. Mas isso não importa. Os anos podem ser disfarçados, a certidão, porém,  não aceita rasuras. É bem verdade que alguns números não são essenciais. Entre eles, está a idade. Não convém recordá-la a todo instante. A existência é muito mais do que o registro cronológico. O que conta mesmo é o entusiasmo direcionado ao viver. Há pessoas que nunca perdem a jovialidade. Acostumaram a ficar de pé diante das adversidades da vida. Entre essas pessoas estão os nossos pais.
Infelizmente, o comércio lembra mais dos pais do que muitos filhos. Se bem que há pais que não lembram de seus filhos. Acredito que falar de pai é recordar os cabelos brancos da experiência, da doação, da ternura e do amor incondicional.

A dinâmica que envolve os laços familiares é fantástica. Nada é mais significativo do que pertencer a uma família. Talvez sejam os sentimentos que mais facilmente se eternizam. Não há superficialidade quando o amor perpassa e faz surgir uma nova geração que está interligada pelo cuidado mútuo. Ao menos deveria ser. Com algumas exceções, a família continua sendo o espaço ideal para que a vida seja gerada, cuidada e plenificada.
E o que dizer a uma multidão de mulheres que hoje são pai e mãe ao mesmo tempo?
Um obrigado é muito pouco, um presente, não é tudo. Um jeito elegante de celebrar o dia de nossos pais pode ser visualizado através do carinho, respeito e reconhecimento. Afinal, só existe uma nova geração porque a anterior se esmerou na doação.
Quando o amor é intenso, a cor do cabelo pouco importa. Um pai é uma resumo da história, mas é muito do que somos. Que cada filho(a) consigam exercitar a gratidão para com seus genitores. O encontro de gerações convida ao exercício da paciência e de valorização da diversidade. O tempo que não passamos junto a nossos pais, jamais será recuperado. Cuidar é uma forma de amar.

Parabéns a todos os pais leitores e frequentadores do blog Família Alcará.

8 comentários:

  1. Acertado e lindo texto. parabéns pra ti e todos papais nesse dia e felicidades sempre! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, chica.
      Abraço e lindo fim de semana.

      Excluir

  2. Olá Nestor,

    Um lindo texto para homenagear esta figura maravilhosa e marcante em nossas vidas. Já não tenho o meu pai, mas o legado que ele nos deixou, a mim e a meus irmãos, jamais se perderá.
    Que Deus dê sabedoria a todos os pais para orientarem e conduzirem seus filhos para as estradas do bem.

    Parabéns a você e a todos os demais papais blogueiros e do planeta.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vera,

      Grato, Vera.
      Sempre digo que nós filhos somos a imortalidade de nossos pais e nossos filhos, nossa imortalidade. Também já não tenho meu velho pai, porém trago comigo muita coisa que me ensinou, principalmente caráter.
      O grande desafio de um pai é conduzir seus filhos para os caminhos do bem.

      Abraço.

      Excluir
  3. "Infelizmente, o comércio lembra mais dos pais do que muitos filhos"... Frase perfeita, outra vez infelizmente. Mas aí, de um jeito mais moderno ou tradicional, que cada um trate de amar e alegrar o pai que tem.

    O meu já se foi, mas está tão vivo...

    Feliz dia dos pais, Nestor.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Milene,

      Mais do que qualquer presente, independentemente de valor, muitos pais aguardam por um abraço, um alô, quem sabe um almoço em família, um te amo... gestos simples que aquecem a alma e reforçam os laços.

      Abraço.

      Excluir
  4. Oi, Nestor, como vai? Ótimo texto. Esse laço familiar está tão escasso, isso percebe-se facilmente na sala de aula. A verdade é que o laço é mais do que a família, é o sentimento que une os membros com cumplicidade, carinho e apoio. Valores nascem primeiramente de sentimentos aprendidos/vivenciados em família.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bia, estou bem.

      Como foi seu dia de pai/mãe? A grande desculpa pelo rompimento de laços é a falta de tempo. Quando se consegue um tempinho, aonde é que as pessoas estão? Em frente ao computador, celular, redes sociais... e a família vai ficando de lado. Triste realidade.

      Abraço.

      Excluir

Que legal! Família Alcará agradece ao seu comentário nota 10. Em breve estará disponível à todos.