Verdades que negamos

Olá amigos, olá leitores.
Certamente vocês já devem ter ouvido aquela expressão: "não adianta tapar o sol com a peneira". Pois bem, nós adultos somos especialistas em esconder sentimentos,  camuflar amizades e omitir certas verdades, principalmente para crianças. Alguns assuntos ficam no silêncio ou inventamos uma história qualquer porque não gostamos de falar de realidades pouco afetivas.
Geralmente em meus post falo da vida sem rodeios, simples como ela é. Nesta postagem, permitam-me discorrer sobre o pólo antagônico da vida, cujo tema será relembrado nesta sexta-feira, dia dedicado aos nossos ente-queridos.
Durante nosso processo evolutivo, sempre fomos induzidos a negar a própria morte e acreditar na imortalidade da vida. Portanto, para algumas pessoas, o que deveria ser algo natural, passa a ser uma temática detestável.

Por mais que se prolongue a vida, a morte é o destino inexorável de todos os seres vivos. Não se pode negar e ninguém consegue fugir. Compreender e tratar com realismo o entardecer da vida significa buscar serenidade e impulso para viver intensamente cada momento. Saber que haverá um fim, não significa perder o encantamento para com o hoje, tal atitude seria pessimista e paralisante. Ao contrário, pensamos que, ao assumir a finitude da vida, podemos reavaliar comportamentos, escolhas e procedermos a uma diferente hierarquização de valores que poderão dar maior dignidade à nossa existência.
As crises existenciais costumam gerar infinitos questionamentos e sempre haverá perguntas sem respostas. Saber administrar tais situações é questão de inteligência diante do inexplicável. Mesmo assim, não podemos negar o óbvio. Um dia inevitavelmente teremos que partir, deixar tudo, materialmente e afetivamente.
Em meio à reflexão, continuamos vibrando pela vida.

18 comentários:

  1. Eu me zango com a morte porque ela me tira as pessoas sem tempo algum de preparo. Mas é a lei natural, compreendo, embora com dificuldades.

    Quanto à minha partida, confesso que eu não gosto de pensar muito nela, apenas sei que será inevitável, a qualquer momento desse tempo que não para.

    Beijo, Nestor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Milene,
      É normal do ser humano zangar-se com a morte. Ela é uma ruptura de tudo o que nos cerca. Sentimos mais pelas perdas afetivas.

      Bem que você faz, não pense muito na morte. Pense em viver bem o seu dia presente, essa é a melhor maneira de mandar a morte pra longe.
      Bom feriado.

      Excluir
  2. Apesar de sermos feitos para a VIDA, caso contrário, perderíamos sem lutar no primeiro embate, temos que saber conviver com o FIM da VIDA também. Estes tempos meu avô desencarnou. Foi para outras dimensões e, por conta de sua idade bem avançada ele sofreu muito. Tinha 97 anos e seus últimos meses na cama foi de um sofrimento assustador para nós. Tinha uma escara que pegava quase toda as costas, mas ele lutava, queria viver, abria os olhos todas as manhãs... para nós era triste e surpreendente ao mesmo tempo. Tirei lições. Crescemos na dor. Aprendemos que a MORTE vem para todos e que nada adianta, mesmo, tapar o SOL com peneiras...
    Belo texto que me fez muito refletir, novamente.
    Abraços e sempre grata pelas visitas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Malu,
      Vejo que a morte deveria ser a coroação de uma vida bem vivida e encarada de forma natural.
      Seu avô foi um guerreiro, oxalá chegue eu aos 90.
      A briga que seu avô teve com a morte, é o medo que temos do desconhecido.
      Abração.

      Excluir
  3. OI NESTOR!
    LENDO TEU TEXTO TENHO QUE CONCORDAR COM TUDO, MAS, FIQUEI A REFLETIR SOBRE O QUE DIZES A RESPEITO DE COMO NÃO ABORDAMOS ESTE ASSUNTO COM AS CRIANÇAS E ASSIM NOSSOS PAIS AGIRAM CONOSCO, O QUE, ACHO EU, GERA TODO ESTE TABU COM RELAÇÃO A TEMIDA MORTE.
    TAMBÉM ACHO EU, O FATO DE NÃO SE TER A EXATA NOÇÃO DO QUE ELA SIGNIFICA NO "DEPOIS", E TEMOS MEDO DO QUE NÃO PODEMOS EXPLICAR.
    BELEZA DE ESCRITOS.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A morte é um acontecimento doloroso, porém natural e inevitável. Muitos pais não sabem lidar com isso na hora de explicar para as crianças. Já ouvi pais comentando que fulano virou uma estrelinha, foi fazer uma viagem muito distante, se transformou em um lindo jardim... mentiras que são aceitas como verdades.

      A morte só deixará de ser um tabu, no momento em que agirmos com franqueza. Explicar para onde vamos, depende da fé de cada um.
      Bom feriado, Zilani.

      Excluir
  4. Linda reflexão,bem verdadeira!!abração,ótimo feriadão!chica

    ResponderExcluir
  5. Oi Nestor

    Gostei muito da sua reflexão! Está aí um tema que todos nós procuramos ignorar e com isto perdemos a chance de viver com mais intensidade, pois o tempo é breve.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Van,
      O medo do desconhecido, em saber o que há além da vida, faz com que ignoramos o sentido da morte. Reconhecer nossa finitude humana, é acetar o passo no compasso certo do tempo que dispomos.
      Bom feriado!

      Excluir

  6. Olá Nestor,

    Observo como é difícil para as pessoas lidarem com o tema morte. Penso que deveríamos ser preparados para ela desde que nascemos, pois se já é a partir daí que começamos a morrer. Há culturas que lidam sabiamente com a finitude da vida. Preferimos não pensar que poderemos perder entes queridos ou mesmo acreditar que ainda estaremos neste mundo por muito tempo. Encarar a morte como uma passagem ou o retorno à Pátria espiritual ajudaria bastante a lidarmos com ela. O importante é valorizarmos a vida, fazendo o melhor, mas nunca perdendo de vista que no momento seguinte já poderemos não mais estar aqui.

    Gostei muito de suas sábias e ponderadas colocações.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Vera,
      O tema morte é difícil de ser lidado por qualquer pessoa. Por mais preparado que se esteja, a morte é uma ruptura de laços e afinidades, e quando se rompe sentimentos, sempre é dolorido.
      O melhor antídoto para a morte, é o que você citou: "Valorizar a vida, fazendo o melhor".

      Lindo fim de semana!

      Excluir
  7. Oi, Nestor. Somos criados com a ideia de que a morte é uma coisa horrível, quando na verdade é algo tão natural quanto a vida. Dói demais ver partir quem amamos...mas passar a vida sofrendo por causa dessa possibilidade reduz nossas possibilidade no aqui e agora. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem Bia?
      O fato de não sabermos o que há além da vida e pós morte, é um dos fatores que fazem com que tenhamos essa ideia horrível da morte.
      Quando perdemos alguém do nosso ciclo de convivência, a dor é inevitável, é natural do ser humano que nutri sentimentos de afinidades. Compreensão e carinho de quem fica, mais a ajuda do tempo, fazem com que a dor da perda seja amenizada.

      Bom final de semana!

      Excluir
  8. Olá Nestor, como vai? :)

    Gostei muito da reflexão que nos trouxe. Concordo contigo, alguns temas, como a morte, acabamos fingindo que não existe ou então nos tornamos obcecados por eles, deixando de aproveitar as alegrias que passam diante dos nossos olhos.
    Já passei por vários extremos no que diz respeito à morte. Primeiro eu vivia como se fosse eterna, até que um dia, quase morri! Isso me fez abrir os olhos para a maneira como eu estava vivendo, e ver que estava negligenciando muita coisa e deixando de valorizar o que tinha... Depois, comecei a ficar obcecada com o assunto e ligava para meus familiares toda hora, acreditando que algo iria acontecer... Fiquei neurótica. Tudo isso, por não aceitar a naturalidade desta realidade, de que como mencionado, a morte é inevitável, mas isso não tira o brilho de nossa existência. Hoje procuro achar um equilíbrio, aceitar o fato e aproveitar minha passagem por aqui ;) Se algo virá depois, não sei, mas quero partir com o coração em paz por saber que valorizei cada segundo de vida e também procuro me acalmar e deixar de ser infantil e egoísta, ficando ansiosa e preocupada com os que amo o tempo todo e parar com estes exageros :)

    Gostei muito!! Um enorme abraço e boa semana :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Samanta,
      Tudo ótimo. Eu não tenho medo da morte, porém me cuido e respeito ela, por ser minha inimiga nº1. Sei que ela anda por aí em qualquer lugar. Estar atento aos sinais e viver a vida em seu pleno significado, faz com que afastamos a morte para longe, ao menos por um determinado tempo.

      Abração.

      Excluir

  9. Olá Nestor,

    Passando para lhe desejar uma linda semana e agradecer-lhe a atenciosa visita.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. Obrigado Vera.
    A ti também, ótima semana.
    Abração.

    ResponderExcluir

Que legal! Família Alcará agradece ao seu comentário nota 10. Em breve estará disponível à todos.