Escolhas

Sábado à tarde, enquanto fazia as compras da semana, me deparei com uma mãe e seu filho, em uma negociação acirrada, na ala dos brinquedos de um supermercado.
Aparentemente, a criança deveria ter seus 3 a 4 anos, mas já sabia o que queria. 
O objeto da negociação era um bonequinho. A mãe queria um e o menino insistia em levar um outro.

- Filho esse aqui é mais barato e mais bonito!
- Mas eu gostei desse!
- Filho a mamãe não tem dinheiro!
- Eu quero esse!
- O papai não vai gostar nada disso!
- Mas eu quero!
Segui fazendo minhas compras e não sei qual foi o desfecho da negociação.

O que me chamou atenção é que a criança estava determinada em levar adiante e para casa, a sua escolha preferida.
Eu também já fiz várias escolhas, na vida. Em algumas ganhei, em outras perdi.
Repare, em nossa vida, e a todo instante, a gente vive fazendo escolhas. 
Você pode escolher em continuar lendo este texto até o final, ou simplesmente pode mudar de página. Tem a liberdade de deixar um elogio ou uma crítica. Pode escolher entre sair ou ficar em casa, fazer determinado trabalho hoje ou deixar para amanhã, sair com fulano ou ciclano... Até mesmo o fato de não escolher, já é uma escolha.

Uma de tantas coisas que a vida me ensinou, é que nossas escolhas sempre terão suas consequências. Não existe escolha sem consequência, amigo! Se você escolher plantar milho, não espere colher feijão.
A probabilidade de acertarmos em nossas escolhas, aumenta consideravelmente, no momento em que refletirmos e de forma antecipada, sobre suas consequência.

"Você é livre para fazer suas escolhas, mas é prisioneiro das consequências."
Pablo Neruda.

12 comentários:

  1. E as escolhas vão sempre sendo as mesmas de acordo com a personalidade de cada um. Talvez se moldem no meio do caminho, mas as preferências manterão sua essência...
    Muito belo texto. Eu gosto de passar por aqui, Nestor e poder sempre sair com a alma cheia...
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Malu, volte mais vezes!

      Somos livres para escolher de acordo com o que pensamos e acreditamos. Boas escolhas significa não sofrer suas consequências no amanhã.

      Abraços.

      Excluir
  2. Lindo e sábio teu texto..Tantas escolhas temos e depois, arcar com elas...abração,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi chica,
      Escolher o essencial, faz-se necessário nesses dias tão conturbados.

      Abração.

      Excluir

  3. Olá Nestor,

    Sem dúvida. Assim como na lei da semeadura colhemos o que plantamos, no exercício do livre arbítrio sofremos as consequências de escolhas equivocadas. Fiquemos, pois, com escolhas raciocinadas e bem direcionadas para diminuirmos os efeitos de consequências indesejáveis.

    Ótima noite.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem Vera?
      Equilíbrio, bom senso e um pouco de paz, são fatores fundamentais para se fazer uma boa escolha.

      Forte abraço.

      Excluir
  4. Nestor,

    Dizer não ao filho pode gerar frustrações, mas faz bem. Não é que devemos aceitar tudo, mas pensar em como chegar lá e tambem pesar a realidade que se vive. Outra coisa, apontada por Vera, é sobre escolhas equivocadas. A vida é assim: perdas e ganhos. Necessárias para darmos o devido valor.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sissym,
      Há muitos filhos no mundo da criminalidade e drogadição, devido a falta de não, por parte de seus pais.

      A única vantagem nas escolhas equivocadas, é a lição que podemos aprender.

      Abraço e bom resto de semana!

      Excluir
  5. É claro que não é nada benéfico pra uma criança que os pais lhes conceda todos os gostos e mimos, mas o fato de manter tão convicta a sua escolha mostra também uma face positiva, a de que pode se tornar um adulto com firmeza de decisão... Eu acho.

    Beijo, Nestor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Crianças agem mais pelo visual e por impulso. Se tal brinquedo é mais colorido, será o escolhido.

      Conversa franca e serenidade, é fator fundamental para pais e filhos, em hora de negociação.

      Abraços.

      Excluir
  6. Nestor, essa é uma lição que quanto mais cedo se aprende, menor é a chance de errar: a de pensar sobre as escolhas antes para ter consciência sobre quais consequências virão. Poucas vezes me arrependi na vida por isso, porque toda a escolha tem dois lado, da perda e do ganho. O que não pode acontecer é a pessoa se abster do direito de escolha deixando as coisas como estão, achando que isso não é uma escolha...como disse, é sim, e o preço muitas vezes, de não abraçar o que sabe que deveria, é o da frustração. Uma pena, quando todos estamos aqui para ir em frente. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bia, tudo tranquilo?
      Há certas lições que só aprendemos na base do erro. Algumas escolhas erradas que fiz na vida, ao me dar conta, a força de vontade foi bem maior para superar, e consequentemente surgiram frutos bons.
      Erros são bons, mas se você souber trabalhar com eles.

      Abraços.

      Excluir

Que legal! Família Alcará agradece ao seu comentário nota 10. Em breve estará disponível à todos.