Respostas

Desconheço filósofo ou pensador que tenha definitivamente sentenciado que a aventura de viver seja sempre fácil. No entanto, viver não dói, tem lá suas exigências e requer algumas respostas. O que pode doer é a vida que a gente pensa, idealiza e que pode estar tão distante da vida e da realidade em que a gente vive. Quando há uma distância infinita entre a vida que se imagina e a vida que acontece, isso acaba machucando mesmo. Por outro ângulo, existe muita coisa positiva e significativa na vida em que estamos vivendo.
Mesmo que não haja respostas à todas inquietudes da vida, é preciso valorizar e viver a vida que está ao nosso alcance. Concordas?

É fundamental nos darmos conta de que somos  interrogações presente no mundo, que as profundas e transformadoras respostas dependem de cada um de nós, caso contrário, teremos que nos contentar com respostas prontas ou com aquelas que o mundo, por ventura, vier oferecer.
A indiferença, a falta de gratidão, falta de solidariedade, a frieza de sentimentos, sorrisos sem graça, abraços frouxos, são respostas estampadas de uma vida medíocre, ou no máximo uma vida morna e sem graça.


Gentileza do vídeo:
Obrigado e forte abraço.




8 comentários:

  1. Nestor esse teu livro deve ser maravilhoso e esses questionamentos muito acertados. Temos que nos lembrar que não é o tamanho do que temos, a grandiosidade que nos levará a ser feliz. Pequenos gestos podem fazer isso e estar e agir de acordo com o que pensamos, sem máscaras, já é um bom começo... abração, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi chica,
      Muita gente esquece dos pequenos gestos que fazem a grande diferença, somando-se ao todo. As pessoas querem resultados imediatos, isso não funciona com a vida. A vida requer que saboreamos um dia de cada vez.
      Abraços.

      Excluir
  2. OI NESTOR!
    FIZESTE ESTA FANTÁSTICA VIAGEM E A COLOCASTE EM LIVRO, PROPORCIONANDO PARA QUEM O LER, VIAJAR CONTIGO.
    ESTOU CERTA QUE DEVE SER UMA LEITURA RIQUÍSSIMA.
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Zilani, tudo bem?

      Sou suspeito em fazer marketing do meu livro. Deixo isso a cargo da editora/distribuidores e leitores.
      Abraços.

      Excluir
  3. Livro maravilhoso, Nestor! Almejar um dia a dia diferente, quando o atual não é satisfatório, me parece natural no sentido de evoluir como pessoa. Mas compreendo que é preciso manter esforços constantes no sentido de buscar viver o cotidiano da melhor maneira possível enquanto buscamos melhorias. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bia,

      A melhor forma para evoluir é esforçar-se para viver bem no nosso dia-a-dia. Há dias em que os problemas se avolumam, outros, parece menos desgastantes. Saber lapidar as coisas boas, é chegar ao fim do dia um pouco melhor.
      Brilhante semana pela frente. Abraços.

      Excluir
  4. Olá Nestor,

    Muito bom o vídeo com a apresentação do seu livro. Posso atestar que é uma leitura que vale a pena e espero que muitos tenham a oportunidade de lê-lo.
    Viver não dói mesmo, mas as dores fazem parte do pacote da vida. Todos sabemos que aprendemos muito com elas, inclusive a viver melhor e a valorizar os belos momentos que desfrutamos durante a jornada. Quando aceitamos a vida como ela se nos apresenta somos capazes de nos sentir gratificados com nossas conquistas, ainda que não do tamanho dos nossos sonhos.

    Feliz domingo para você e família.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vera,

      A valiosidade de um pérola depende muito do sofrimento de uma ostra. Evidente que ninguém gosta de dores, mas fazem parte do pacote sim. Para levantar precisamos cair, para aprender precisamos errar algumas vezes, para ganhar, às vezes precisamos perder...
      Perdas, rupturas, nos causam dor, mas trazem consigo preciosas lições de vida.

      Ótima semana, abraço.

      Excluir

Que legal! Família Alcará agradece ao seu comentário nota 10. Em breve estará disponível à todos.