O que sinto e vivo

Orquidário pessoal
Olá pessoal, como vai a vida?
O inverno parece que despediu-se. Por aqui houvem-se cantos de pássaros, os dias são mais ensolarados e a primavera está de retorno com flores e perfumes diversos.
Para quem quiser, a natureza, todos os dias, oferece exemplos de recomeço e grandes lições de vida. Não importa se o ser humano é bom ou ruim. Simplesmente vai imprimindo o seu ritmo, transformando e se transformando. Exemplos estão por todos os lados e para quem quiser ver.

É mais ou menos nesse ritmo que estou vivendo. Já cheguei na casa dos quarentões e a sensação que sinto, é que parece que tenho menos preocupações quando tinha meus vinte e poucos anos. O fato é que não perco mais o meu tempo com mediocridades. Aprendi a não tolerar a falsidade de gente que fala por tás, gente ingrata que esquece o bem que fizemos nos momentos difíceis. Não ligo mais para gabolices e não me sinto bem na presença de pessoas invejosas tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte. 

Orquidário pessoal
Não discuto se um mais um são dois, nem de tudo o que  é óbvio. Já não sinto saudades dos erros e acertos do meu passado. Não tenho tempo para administrar chiliques de pessoas, que apesar da idade continuam imaturas. Não faço mais acareações de desafetos de pessoas infelizes que responsabilizam os outros pelos seus próprios fracassos e muito menos perco o meu tempo em julgar ou "tirar fatos a limpo", seja de quem quer que seja. 
O que estou sentindo e vivendo, seria a tal crise dos quarenta? Aliás, alguém poderia me explicar o que seria essa crise, e se de fato ela existe?
Crise ou não, a idade cronológica me permite querer a essência, viver ao lado de gente muito mais humana; que sabe rir de seus tropeços, que não se encanta com triunfos e que jamais foge de sua mortalidade.

Com o desenrolar do tempo, aprendi que não é um mundo cheio de coisas, mas sim pequenas coisas essenciais que fazem a vida valer a pena.
Abraço.

15 comentários:

  1. Um texto brilhante assino em baixo, acho que antigamente a crise dos 40 era o medo de envelhecer e não ter tempo para fazermos muitas coisas pois a expectativa de vida era menor, hoje não, tbm não tenho mais paciência para muitas coisas, esses dias eu e meu esposo não me recordo o motivo mas estávamos começando a discutir e ele virou de repente para mim e disse não tenho mais idade pra brigar...kkk comecei a rir e disse eu tbm.
    Gostei muito dessa parte do texto:
    O fato é que não perco mais o meu tempo com mediocridades. Aprendi a não tolerar a falsidade de gente que fala por tás, gente ingrata que esquece o bem que fizemos nos momentos difíceis. Não ligo mais para gabolices e não me sinto bem na presença de pessoas invejosas tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Patricia,
      Com o passar do tempo a gente aprende a selecionar melhor nossos amigos, a escolher em qual ambiente participar, em qual restaurante almoçar... Somos mais criteriosos e aproveitamos melhor o nosso tempo.
      Obrigado pela presença.

      Excluir
  2. Nestor, acredito que nem haja crise.Estou quase com 65 e ainda não as tive, imagina só! Assim, o bom é levar a vida fazendo o que gostamos, do nosso jeito sem se deixar levar pela massa, etc... Lindas orquideas! abraços,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi chica,
      Acho que você vai enfrentar a crise dos 100 anos kkkkkkkkkkkk

      Quando a gente leva a vida fazendo o que gostamos e do nosso jeito, as supostas crises passam a ser oportunidades.
      Abraços.

      Excluir
  3. Oi, Nestor! Vir aqui sempre me alimenta de alguma forma. Ao contrário da Chica, passei por tooodas as crises de idade, hahahaha... a crise nada mais é do que o efervecer dos questionamentos e a acomodação das novas lições que vamos aprendendo.
    Como você, penso que a idade nos faz perder menos tempo com coisas que não vão mudar ou não vão fazer diferença em nossas vidas, e esse tempo passa a ser ocupado com o que realmente vale a pena e que, em geral, é muito simples.
    Tenho certeza que observar seu orquidário deve render belos momentos de reflexão. Eu me encontro assim nas fotografias, ainda hoje saí para caminhar com minha câmera em punho, e observando as imagens pensei justamente como pode ser simples ser feliz.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bia,
      É nos momentos de crises que aprendemos grandes lições. A crise nos pressiona, a gente pressiona a crise e, daí sai um denominador que se chama aprendizado.
      Na adolescência a gente quer abraçar o mundo com as pernas, e as crises são constantes. No momento em que vamos evoluindo, passamos a abraçar somente o que nos é salutar sem muita perda de tempo.
      Abraço.

      Excluir
  4. A VIDA está sempre a nos ensinar. Hoje tenho olhos para as coisas simples,porém que possuem um significado maior. Um grande abraço e tudo de bom. Agradeço suas visitas sempre!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida ensina, se manifesta e nos cobra muito, Malu. Compreender a magia que emana das coisas simples, é uma das formas de ser feliz.
      Abraço.

      Excluir
  5. Nestor,

    Nunca tive nem a crise dos 30 muito menos dos 40. O que senti em mim foi uma transformação positiva, a medida que os anos passaram eu me tornei mais forte e segura, mais tolerante com algumas coisas e outras não (quando diz respeito a justiça - ser justo). Dou mais valor a detalhes que realmente importam e procuro não me esquentar com bobagens.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também nunca passei por momentos de crise existencial. O que me aparece de vez em quando é a crise do bolso - falta de grana mesmo kkkkkkkkkkkk, mas isso se resolve.

      Acredito sim que, a partir de uma certa idade, passamos a ser mais criteriosos e objetivos em nossas escolhas. Consequentemente o risco de errar ou enfrentar uma crise, diminui consideravelmente.
      Abraço.

      Excluir
  6. Olá Nestor,

    Seu orquidário está lindo. Belas cores.
    Você é muito novo, mas já adquiriu maturidade suficiente para dar valor ao que realmente tem valor. Muitos chegam ao quarenta ainda bem imaturos e, pior, querendo voltar no tempo, pois não 'aceitam' encarar a nova estação-rs.
    Nossa vida recebe um sentido diferente quando aprendemos que a beleza e a felicidade podem ser encontradas na simplicidade das coisas.

    Ótimo dia.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Com a chegada da primavera e dias ensolarados, as orquídeas se desenvolvem a todo o vapor.

    Acho essa história de querer voltar no tempo, a mais pura perda de tempo. O que passou, passou. O que interessa é o tempo presente e como nós nos posicionamos diante dele.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Olá Nestor,

    Grata pela visita.
    Belos dias de paz e luz.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Oi Nestor, então será que sou precoce? Estou com 23 e já não perco meu tempo com algumas coisas que antes me prendiam... Esta semana soube que alguém falou algo de mim e fiquei admirado quando vi que não me abalei, em outros tempos eu me abalava, ficava chateado e ainda pedia uma satisfação rss Graças a Deus me sinto anestesiado...

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI Carlos, precoce nada. Você é uma pessoa inteligente e sensata. Saber fazer escolhas, priorizando o essencial é passo certo para uma vida feliz. Quanto a opinião dos outros, escuto, mas nem sempre acato, concordo ou ligo.
      Abraço.

      Excluir

Que legal! Família Alcará agradece ao seu comentário nota 10. Em breve estará disponível à todos.