Evolução

É impressionante observar a velocidade de como certas coisas estão evoluindo. Para você ter uma ideia, o meu primeiro carro conquistado foi um modelo 1986 e era movido a álcool. No inverno era uma maravilha, levantava 5:45 da manhã, injetava gasolina no motor, deixava aquecendo até às 6:00 horas e depois   seguia tranquilo para mais um dia de trabalho.
Melhorias nunca antes imaginadas estão despontando em muitos segmentos. Um simples olhar para os novos automóveis é o suficiente para se ter a prova concreta de que a inteligência humana é extraordinária. Há sensores de estacionamento, gps, computador de bordo, sendo a bola da vez, o câmbio automático. A automação do câmbio acabou com aquela confusão entre os pés e mãos. Baixa o pé na embreagem, faz a marcha, pisa no acelerador, pisa no freio, tudo isso era um tormento, ao menos para os iniciantes. Automaticamente, através do sistema de transmissão, é detectada a relação entre a velocidade e a rotação do motor e efetuado o câmbio da marcha.

Evidente que por trás de toda essa evolução, a mola propulsora é incentivar o consumo que nem sempre está ao alcance de todos.
Fico pensando se essa ideia do câmbio automático fosse assimilada pelo ser humano. Já está comprovada a decadência da qualidade de vida interior, a falta de sentido que impulsiona a felicidade, a ausência de resultados que não permite a paz. Mesmo assim, muitos persistem em não trocar o modelo de ser e de viver.
Acredito que a teimosia e a indiferença deveriam diminuir na mesma proporção dos avanços e da melhoria da qualidade de vida. Tudo evolui proporcionando conforto, segurança e bem-estar. E o ser humano? Continua arraigado em seu modo peculiar e ultrapassado de perceber e conceber a vida.
Se algo não está dando certo, por que você insiste na continuidade?
Se o problema é a acomodação que diminui suas oportunidades e com isso você deixa de otimizar sua felicidade, vindo a perder a paz interior. É chegado o momento da evolução. Coloque sua vida, o quanto antes, em câmbio automático.
Abraço.

7 comentários:

  1. Linda tua reflexão sobre o tema. E precisamos mesmo, à medida que o tempo passa, viver o melhor possível, curtir tudo, independente do que se pensava antes...abraços,chica

    ResponderExcluir
  2. Oi chica,

    Estive visitando uma feira que aconteceu aqui em minha cidade e pude constatar o quanto as coisas estão evoluindo.

    Se o ser humano evoluísse metade da velocidade com que as coisas evoluem, o mundo seria bem melhor de se viver.
    Abraço.

    ResponderExcluir

  3. Olá Nestor,

    Você fez um paralelo bem interessante.
    Sabemos que a evolução humana é mais lenta, mas, a cada dia que passa, só percebo estagnação. E não falo em involução porque, espiritualmente, sei que ela não existe. Não costumamos descer degraus na escala evolutiva, mas estamos demorando demais para subi-los.
    Precisamos despertar para a vida, mudar valores, sair da zona de conforto e buscar o que for melhor para o nosso SER.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vera,

      A nossa vida é composta daquilo que proporcionamos a ela. Se a alimentamos somente com coisas fúteis, teremos uma vida vazia e sem sentido.

      Há que se buscar o equilíbrio entre o material e o espiritual.
      Abraço.

      Excluir
  4. Nestor,

    Muito interessante a comparação de seu texto.

    Eu me preocupo muito com minha evolução pessoal, o mundo, que é exigente e futil, requer aparencia impecavel. Talvez seja este o maior problema para endividamentos. Ontem li um artigo sobre as pessoas que estão entrando na terceira idade e cheias de dívidas.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sissym,

      Manter uma boa aparência é fundamental. Porém, há que se excluir todo e qualquer exagero. As marcas do tempo são impecáveis, e não há aparência física que o possa resistir.

      Ao conversar com uma pessoa sábia, devido sua riqueza interior, você acaba nem percebendo as marcas do tempo.

      Os grandes propulsores do endividamento na terceira idade são os empréstimos consignados e a ganância de algumas financeiras que agem sem escrúpulos algum.
      Abraço.

      Excluir
  5. O clichê "colhemos o que plantamos" é bem adequado, né? Se não plantamos coisa boa,cadê evolução? Não tem jeito de inventar câmbio automático,tudo fica estagnado mesmo.

    Bela reflexão.
    Abraços, Nestor.

    ResponderExcluir

Que legal! Família Alcará agradece ao seu comentário nota 10. Em breve estará disponível à todos.