Sobrevivendo aos apagões

Recentemente uma pesquisa divulgada por um instituto que relatam o cotidiano através de dados estatísticos revelou que o brasileiro ficou, em 2012, em média 20 horas sem energia elétrica. Pequenos e médios apagões que desencadearam muitos danos, além do desconforto e das perdas. 
Como paliativo, o governo reduziu o valor final da conta de luz (acha que fez uma grande coisa ) e aumentou o valor dos combustíveis, o que encareceu ainda mais o custo de vida de nós brasileiros. Junto com o aumento dos combustíveis estão vindo o aumento das passagens, fretes, taxis... que serão repassado aos demais produtos, gerando mais impostos e menos poder aquisitivo a quem sustenta os donos do poder.
Voltando ao tema: Meus avós não chegaram a conhecer ou presenciar a luz elétrica, mas a vida sempre encontrou uma saída para que eles seguissem o seu rumo. Hoje, uns instantes sem luz já é o suficiente para dar-nos conta do quanto somos dependentes da energia elétrica.

Aproveitando o assunto e refletindo sobre o nosso mundo interior, percebe-se facilmente que a ausência de luz inviabiliza qualquer projeto de realização pessoal. A fé e a sabedoria permitem claridade para nossos sonhos, compreensão diante dos desencontros e paz para serenar os demais sentimentos. Nenhum humano conquista o existir sem ter consigo luz.
Tendo em vista que a vida é feita de escolhas, a opção pela luz ou pela escuridão, passa a ser uma questão de manuseio da sua liberdade. 
É através da fé que alimentamos a luz que irradia esperança e dá mil motivos para acreditar na vida. Ter fé é ser portador de uma energia ininterrupta que amplia a capacidade de captar o essencial, que nos dá estabilidade e acalenta o coração nos descompassos do cotidiano.

Sobrevivemos aos apagões da energia elétrica, porém, ninguém consegue sobreviver, se tiver que enfrentar apagões da fé.
Abraço.

8 comentários:

  1. Esses últimos, não podem passar de minutos...Não nos fazem bem. os outros, estamos acostumados! abração,mchica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá chica,

      A ausência da luz elétrica pode ser contornada com uma simples vela. A ausência de fé, não há lamparina que possa iluminar.

      Ótimo fim de semana.

      Excluir
  2. OI NESTOR!
    ASSIM É, SOMOS DEPENDENTES DA LUZ ELÉTRICA QUANDO DEVERÍAMOS SER DA LUZ DIVINA, DA QUAL CADA VEZ MAIS NOS AFASTAMOS, SEM NOS DARMOS CONTA QUE ESTA ESCURIDÃO, A DE "DEUS" É A QUE VERDADEIRAMENTE NOS FARÁ FALTA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Zilani,

      A verdadeira Luz, está ao alcance de quem acredita. Acreditar é um questão de confiança e de fé.

      Abençoado fim de semana.

      Excluir

  3. Olá Nestor,

    Gostei da analogia. Perfeita.
    Sem a luz da fé a escuridão do desequilíbrio e da desesperança nos levará a tropeçar continuamente pelas estradas da vida.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vera,

      Que seu final de semana e seus dias, sejam iluminados por raios de luz, que brotam a partir da fé naquilo que acreditas.

      Forte abraço.

      Excluir
  4. Ah, Nestor, que texto maravilhoso...concordo que a distância entre escolher a luz e a escuridão está nas mãos de cada um, e que a escolha faz toda a diferença que temos em escolher os rumos da própria vida...
    O mais instigante da fé é que o momento em que ela mais se faz necessária é justamente quando estamos no escuro, e quando estamos no escuro parece que não há saída, nos sentimos fracos.
    É preciso acalmar os medos e abraçar a coragem para que a fé se faça presente e consigamos acender novamente a luz.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Bia,

      A energia elétrica é mais visível a noite. A fé é provada nos momentos de maior escuridão.
      É natural que o escuro nos dê medo. Paz, silêncio, reflexão, são necessários até que surjam novos raios de luz.

      Abençoada semana pela frente.

      Excluir

Que legal! Família Alcará agradece ao seu comentário nota 10. Em breve estará disponível à todos.